A Ironia do Tempo

 

Há um ano atrás António José Seguro já se imaginava com o decorrer do tempo sentado na cadeira de primeiro-ministro, mas trocaram-lhe as voltas e lá surgiu António Costa a desafiá-lo e no fim puxando-lhe a cadeira.

Agora que António Costa também já se imaginava sentado na mesma, ficando a dúvida se com ou sem maioria absoluta, e não sendo preciso para tal grande intervenção ou mesmo nenhuma, bastando-lhe apontar para as inúmeras trapalhadas do governo. Lá apareceram de novo as vicissitudes do tempo que vieram trazer mais agruras para esse suposto passeio ameno até às legislativas.

A detenção de Sócrates e toda a cacofonia que rodeia o processo, e irá por muito mais tempo continuar a rodear, veio dificultar em muito o que parecia ser relativamente simples, obrigando a uma maior intervenção por parte de António Costa e uma maior minúcia na análise à sua conduta por parte da sociedade civil e da comunicação social.

A sua declaração pedindo para se separar as águas, denota esse cuidado e só deve ser elogiada. Mas sabemos o quão difícil será cumprir, ficando provado logo dois dias depois aquando da visita de Mário Soares a Sócrates e suas posteriores declarações ressuscitando a malfadada tese da cabala.

O congresso nacional do Partido Socialista que se irá realizar este fim-de-semana será um grande desafio à liderança de António Costa, pela maneira como irá constituir as listas, quem será excluído das mesmas dará para fazer uma leitura do que será o futuro do partido socialista e pela enorme dificuldade em supervisionar e gerir tudo o que pode vir a ser dito.

O convite a Sampaio da Nóvoa, que tem sido sondado há mais de um ano por inúmeros partidos, denota a abertura à sociedade que o partido quer demonstrar e a presença do Livre no encerramento do congresso para além de retribuir o gesto a Rui Tavares, vem na senda da procura de coligações para caso a maioria absoluta que se mostra cada vez mais difícil de obter não ser alcançada, ter outras hipóteses à mão.

Por estas e outras razões, as atenções neste fim-de-semana estarão todas elas viradas para este congresso, tentando antever algumas leituras políticas das linhas que venham a ser traçadas. E para perceber como é que se irão movimentar numa sala de cristal com um enorme elefante no centro.

2 thoughts on “A Ironia do Tempo

  1. Sónia Mira

    Um olhar que me parece sempre atento ao dito e não dito, é bom encontrar uma opinião reflexiva e crítica. Sónia M.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *