Monthly Archives: January 2014

Festa Rija

 

Continuam a tentar erguer cortinas de fumo com recurso a não-assuntos para perpetuar a alienação dos cidadãos.

Esta semana fomos presenteados com a problemática do comprimento da saia da assessora da Presidência da República aquando da entrega do prémio a Cristiano Ronaldo. Já para não falar no vergonhoso esquema que o PSD montou de modo a arrastar ainda mais a co-adopção, recorrendo a um referendo e não tendo nunca em conta o que realmente está em causa, o bem-estar das crianças que por algum infortúnio se vejam órfãos de um dos pais e na possibilidade de serem retirados ao outro membro do casal por falta de legislação que os proteja.

Enquanto nos tentam distrair, Passos Coelho cada vez mais convicto que irá ganhar as próximas legislativas tenta encontrar um Presidente da República à medida do seu eventual renovar de mandato. E o que lhe convêm é um Presidente ainda menos interventivo ou crítico do que o actual, apesar de tal facto ser difícil. Pedro Passos Coelho irá tentar – nem que seja por exclusão de partes – um Presidente que dê para pôr no bolso.

Marcelo Rebelo de Sousa reviu-se na definição muito pouco abonatória que foi feita dele e decidiu, por enquanto, não se candidatar, pois não é certo que não o venha a fazer mais tarde. Quanto à definição que serviu a Marcelo Rebelo de Sousa creio que também inclui Paulo Rangel, Pedro Santana Lopes, Marques Mendes, Manuela Ferreira Leite e muitos outros para os quais a carapuça também servirá.

O governo irá usar e abusar dos bons indicadores que vão chegando, como o do défice, que era expectável devido ao brutal aumento do IRS e das receitas extraordinárias, para não dar atenção aos outros assuntos.

Já aqui foi dito que a coincidência de datas do fim do programa da troika com as eleições Europeias era demasiado perniciosa, esse facto junto com a conivência que a própria troika e a Europa têm tido fará com que seja uma festa rija até Maio.

Notícias do Fundo *

 

Apesar de aparentemente não se ter passado nada desde o início do ano para além do acidente de Schumacher e a trágica perda de Eusébio, outras coisas aconteceram.

O aproveitamento mediático de ambos os casos enfatiza ainda mais esta percepção e o aproveitamento político no caso da morte de Eusébio foi um triste espectáculo que todos nós teríamos abdicado de bom grado.

O imediatismo que se exigiu na resposta a este acontecimento é um mero sinal dos tempos, onde se quer tudo para ontem e tem-se aversão a pensar sobre os assuntos, é para fazer e logo, não vale a pena pensar sobre.

Mas entretanto houve uma emissão de dívida, o congresso do CDS-PP e a dupla recandidatura de Passos Coelho. A política já voltou, abriram-se as hostilidades para o novo ano.

A emissão de dívida correu bem e são sempre boas notícias, mas convém não esquecer que estas emissões de dívida são condição necessária para recorrer ao programa cautelar, tendo nós só agora conseguido chegar aos valores anteriores ao arrufo de Verão da coligação. Tudo isto tende a acrescentar ao facto de que a Espanha, Itália e Irlanda continuam a conseguir obter juros abaixo dos obtidos por Portugal.

Passos Coelho impulsionado pelos novos números que vamos conhecendo e vão animando o partido anunciou a sua dupla recandidatura, à liderança do PSD e às legislativas, tendo já um plano caso vença estas últimas. Temos visto o quão brilhantemente tem aplicado o anterior.

A coligação faz juras de amor e para fazer prova Passos Coelho deslocou-se ao congresso do CDS- num gesto inédito – continuando assim a demonstrar essa vontade de chegar ao fim do seu mandato ou mesmo vir a renová-lo.

No congresso do CDS não houve grandes novidades, Portas foi reeleito com uma ténue oposição, prova de que já há no partido quem ponha em causa as suas decisões e fica cada vez mais amarrado a Passos e à coligação.

Mas apesar de todos estes novos dados económicos e juras de parte a parte temo que o PS irá pedir eleições aquando do assinar ou mesmo accionar do programa cautelar, o tal que continuamos sem saber o seu desenho e as suas condições.

 

* Notícias do Fundo – O Monstro Precisa de Amigos – Ornatos Violeta *